quarta-feira, 22 de novembro de 2017

A compulsão dos homens pelo sexo

Abusos na ginástica: o inferno silencioso das estrelas dos Jogos do Rio http://flip.it/x6IOTM
O que torna tão difícil achar um submarino? http://flip.it/Kh-R7A

Anthony e Rosinha Garotinho são presos pela Polícia Federal...

Polícia Federal prende Anthony e Rosinha Garotinho

Ex-governador e sua esposa foram levados para a sede da Polícia Federal em Campos, cidade localizada na zona norte do Rio

A informação foi confirmada pela filha dos dois, a secretária municipal de Desenvolvimento do Rio, Clarissa Garotinho, em entrevista à rádio CBN.
Garotinho foi levado para a sede da Polícia Federal no Rio, na Zona Portuária. Rosinha está na cidade de Campos. O pedido foi feito pelo Ministério Público Eleitoral, que apura a arrecadação de dinheiro ilícito para o financiamento da campanha dos dois.
A investigação é um desdobramento da “Operação Chequinho”, que apura fraude com fins eleitorais no programa Cheque Cidadão por Garotinho. A defesa de Anthony Garotinho informou que que só se pronunciará quando tiver acesso aos documentos que embasaram o mandado de prisão do ex-governador, “o que ainda não aconteceu”.

Outras prisões

Não é a primeira vez que Anthony Garotinho é preso. A última prisão foi em setembro, quando apresentava o programa que ancora na Rádio Tupi. Garotinho foi preso e condenado pela Justiça Eleitoral por comandar um esquema de fraude eleitoral na época em que era secretário de Governo de Campos. Segundo o Ministério Público, Garotinho oferecia inscrições no programa Cheque Cidadão, que dá R$ 200 por mês para cada beneficiário, em troca de votos. 
Anthony Garotinho também foi preso em novembro do ano passado, durante a Operação Chequinho, que já investigava o esquema no programa Cheque Cidadão. Depois da prisão, Garotinho passou mal e foi levado a um hospital do Rio. De lá, ele foi levado à força, por decisão judicial, para uma unidade de saúde dentro de uma penitenciária de Bangu. O ex-governador conseguiu uma autorização para realizar uma cirurgia no coração em um hospital particular. Depois disso, foi cumprir prisão domiciliar.

Defesa

A defesa de Anthony Garotinho divulgou nota afirmando que ele é vítima de uma perseguição por ter denunciado um esquema envolvendo o ex-governador Sérgio Cabralna Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) e irregularidades supostamente praticadas pelo desembargador Luiz Zveiter. Garotinho se diz inocente, assim como os demais acusados na operação desta quarta-feira, e ainda diz que é ameaçado pelo presidente afastado da Alerj, Jorge Picciani, que ontem voltou à cadeia de Benfica.
Leia a nota na íntegra:
“Querem calar o Garotinho mais uma vez. O ex-governador Anthony Garotinho atribui a operação de hoje a mais um capítulo da perseguição que vem sofrendo desde que denunciou o esquema do governo Cabral na Assembleia Legislativa e as irregularidades praticadas pelo desembargador Luiz Zveiter.
O ex-governador afirma que tanto isso é verdade que quem assina o seu pedido de prisão é o juiz Glaucenir de Oliveira, o mesmo que decretou a primeira prisão de Garotinho, no ano passado, logo após ele ter denunciado Zveiter à Procuradoria Geral da República.
Garotinho afirma ainda que nem ele nem nenhum dos acusados cometeu crime algum e, conforme disse ontem no seu programa de rádio, foi alertado por um agente penitenciário a respeito de uma reunião entre Sergio Cabral e Jorge Picciani, durante a primeira prisão do deputado em Benfica. Na ocasião, o presidente da Alerj teria afirmado que iria dar um tiro na cara de Garotinho.
Agora, a ordem de prisão do juiz Glaucenir é para que Garotinho vá com sua esposa para Benfica, justamente onde estão os presos da Lava Jato.
Cabe frisar que essa a operação à qual Garotinho e Rosinha respondem não tem relação alguma com a Lava Jato.”
Com informações do Estadão

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Secretário de Educação do Rio discorda de Taís Araújo e cria polêmica


Secretário de Educação ataca Taís Araújo: ‘Idiotice racial’

Secretário de Educação do Rio, Cesar Benjamim diz que racismo é invenção americana

No dia da Consciência Negra, o Secretário Municipal de Educação do Rio, César Benjamin, escreveu em seu perfil no Facebook que o racismo é uma “criação dos Estados Unidos”.
Ele fez ainda duras críticas a Taís Araújo. Isso porque a atriz disse , durante uma palestra no evento TEDXSão Paulo, que “a cor do meu filho faz com que as pessoas mudem de calçada”.
“Qualquer idiotice racial prospera. A última delas é uma linda e cheirosa atriz global dizer que as pessoas mudam de calçada quando enxergam o filho dela, que também deve ser lindo e cheiroso”.
Veja abaixo o post completo:
(reprodução//Secretário de Educação ataca Taís Araújo: 'Idiotice racial'/Reprodução)

O Brasil gasta mal e de forma injusta

Brasil gasta mal e de forma injusta, diz Banco Mundial http://flip.it/ZWeM8c

BRASIL

Brasil gasta mal e de forma injusta, diz Banco Mundial

Instituição internacional afirma que país gasta mais do que pode, e o faz de maneira ineficiente e socialmente incorreta. Despesas com previdência e funcionalismo são as mais preocupantes, aponta relatório.
Symbolbild Finanzen Buchhaltung Taschenrechner Kugelschreiber (picture-alliance/dpa/Arno Burgi)
O Brasil gasta mais do que arrecada e, além disso, de forma ineficaz, já que as despesas não cumprem plenamente seus objetivos, e muitas vezes injusta, porque beneficiam os ricos em detrimentos dos mais pobres. A conclusão é de um relatório do Banco Mundial divulgado nesta terça-feira (21/11).
O estudo, intitulado "Um ajuste justo: uma análise da eficiência da equidade do gasto público no Brasil", foi encomendado pelo ex-ministro da Fazenda Joaquim Levy.
Ele analisa as raízes dos problemas fiscais brasileiros, os programas sociais existentes e as alocações das despesas, centrando-se em oito setores dos gastos públicos, com diagnóstico detalhado de cada um. Também aponta possíveis reformas para promover uma gestão de recursos mais eficaz e justa.
O Banco Mundial afirma que o governo brasileiro terá que enfrentar "escolhas difíceis" para ajustar suas contas, com o perigo de "mergulhar novamente na espiral da inflação e do baixo crescimento".
No entanto, após a análise de uma série de dados, o órgão concluiu que "é possível [no Brasil] economizar parte do orçamento sem prejudicar o acesso e a qualidade dos serviços públicos, beneficiando os estratos mais pobres da população".
O relatório alerta, por exemplo, que os gastos públicos brasileiros aumentaram de forma consistente nas últimas décadas, colocando em risco a sustentabilidade fiscal do país – o déficit fiscal já atinge 8% do PIB, e a dívida subiu de 51,5%, em 2012, para 73% neste ano.
Nesse sentido, ressalta que será necessário reduzir as despesas em 0,6% em proporção ao PIB do país a cada ano, bem como reduzir as despesas dos estados e municípios em 1,29%.
Previdência
Um dos problemas apontados pelo banco é referente aos gastos com previdência, descrita como o "motor do desequilíbrio fiscal" do país. Segundo o estudo, sua reforma seria a medida com maior impacto para a economia brasileira.
Se a situação atual for mantida, em treze anos, o gasto com previdência esgotará o limite do teto de gastos do governo federal e não haverá dinheiro para salários, manutenção de escolas e hospitais ou investimentos. Em 2080, essas despesas corresponderiam a 150% do PIB nacional.
Além disso, a previdência brasileira é "altamente injusta", aponta o Banco Mundial. Isso porque 35% dos subsídios beneficiam aqueles que estão entre os 20% mais ricos, enquanto penas 18% dos subsídios vão para os 40% mais pobres.
Serviço público
Na esfera do serviço público, aposentadoria e salários registram uma injustiça ainda maior. Segundo o relatório, os servidores públicos federais ganham, em média, 67% a mais do que os trabalhadores da iniciativa privada. Já os servidores estaduais recebem salários 30% maiores.
A remuneração acima da média, afirma o estudo, é o que leva os gastos com funcionalismo no Brasil serem tão altos, ultrapassando as despesas de países como Estados Unidos, França e Portugal.
O Banco Mundial revela que os gastos com servidores, em todas as esferas do governo, chegaram a 13,1% do PIB em 2015, em comparação com os 11,6% registrados há dez anos. Em outros países desenvolvidos, esse percentual é de cerca de 9% do PIB.
Ensino superior gratuito
Em relação à educação, o estudo aponta injustiça também no ensino superior gratuito, onde 65% dos estudantes estão entre os 40% mais ricos do país. O governo gasta 0,7% do PIB com as universidades federais.
A fim de cortar gastos sem prejudicar os mais pobres, a sugestão do Banco Mundial é o fim da gratuidade na universidade pública, com a criação de bolsas para aqueles que não podem pagar. Já os alunos de renda média e alta, que tendem a ter um aumento de renda depois de formados, poderiam pagar pelo curso após a graduação.
Outro alerta do relatório é referente às políticas públicas de incentivo ao setor privado. Segundo o banco, elas estão presentes em gastos tributários, créditos subsidiados e gastos diretos com empresas.
Os gastos nessa área correspondem a duas vezes o custo de todos os programas de assistência social e apoio ao mercado de trabalho e mais de dez vezes o custo do programa Bolsa Família, por exemplo.
EK/efe/ots
____________
A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

"Servidor ganha 67% mais que empregado privado, diz Banco Mundial" / Exame

Servidor ganha 67% mais que empregado privado, diz Banco Mundial

Chamado "prêmio salarial" do funcionalismo brasileiro é o mais alto numa amostra de 53 países pesquisados pelo Banco Mundial

Brasília – Os servidores públicos federais ganham no Brasil 67% a mais do que um empregado no setor privado em função semelhante, com a mesma formação e experiência profissional.





O chamado “prêmio salarial” do funcionalismo brasileiro é o mais alto numa amostra de 53 países pesquisados pelo Banco Mundial.

No relatório “Um ajuste justo – propostas para aumentar eficiência e equidade do gasto público no Brasil”, o banco avalia que os salários elevados recebidos pelos servidores contribuem para aumentar a desigualdade no Brasil.
Para aproximar os salários do setor público aos pagos pelo resto da economia, o Banco Mundial recomenda o congelamento dos salários. Para o banco, se o prêmio dos salários federais fosse reduzido pela metade, a economia seria de 0,9% do Produto Interno Bruto (PIB).
Os servidores estaduais também têm salários mais altos. A diferença é de 31% em relação aos trabalhadores da iniciativa privada – patamar muito alto comparado a países semelhantes da região e ao nível da renda per capita. A média internacional do prêmio salarial dos servidores é de 16%.
O banco fez simulações que apontam que o congelamento dos salários do funcionalismo público reduziria o prêmio salarial de 67% para 36% até 2021, e 16% até 2024.
“Esse grande prêmio salarial perpetua a desigualdade, porque beneficia as pessoas mais ricas”, diz o economista-chefe do Banco Mundial no Brasil, Antonio Nucifora. Como os salários dos servidores são financiados por meio de tributação, os altos salários do setor público acabam constituindo uma forma de redistribuição de renda dos mais pobres e da classe média aos mais ricos, aponta o relatório.
O alinhamento dos salários iniciais aos pagos pelo setor privado e a introdução de um sistema mais meritocrático de aumentos salariais reduziriam os custos e aumentariam a produtividade no setor público.
Os funcionários públicos federais estão no topo da distribuição de renda do País, diz o relatório. Das 10 atividades com salários mais elevados, seis estão no setor público – o que não se observa, com frequência, em países da OCDE e economias emergentes.
De acordo com o relatório, o setor público paga, em média, salários aproximadamente 70% superiores (R$ 44.000 por ano) aos pagos pelo setor privado formal (R$ 26.000 por ano), e quase três vezes mais do que recebem os trabalhadores informais (R$ 16.000 por ano).
O governo federal paga salários ainda mais altos: com base em dados de 2016, os militares brasileiros recebem, em média, mais do que o dobro pago pelo setor privado (R$ 55.000 por ano), e os servidores federais civis ganham cinco vezes mais que trabalhadores do setor privado (R$ 130.000 por ano).
O Banco Mundial constatou ainda que a massa salarial também é elevada em relação a outros países. Ela subiu de 11,6% do PIB em 2006 para 13,1% do PIB em 2015, superando até Portugal e França, que registravam massas salariais mais altas que o Brasil há uma década. Outros países desenvolvidos, como a Austrália e os EUA, possuem massas salariais consideravelmente menores, de cerca de 9% do PIB. Já o Chile gastou somente 6,4% do PIB em salários do funcionalismo público em 2015.
Como porcentual do PIB, a folha de pagamento brasileira é mais alta que a de qualquer média regional de países. Os altos níveis de gastos com os salários são impulsionados pelos elevados salários dos servidores públicos, e não pelo número excessivo de servidores.
Os servidores públicos são comparativamente ricos no Brasil: 54% encontram-se no grupo dos 20% de renda mais elevada, e 77% estão entre os 40% mais ricos.

" Thomás Sowell é coisa de preto" / Ana Paula Henkel

http://politica.estadao.com.br/blogs/ana-paula-henkel/thomas-sowell-e-coisa-de-preto/
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Thomas Sowell é coisa de preto

Ana Paula Henkel
20 Novembro 2017 | 21h13
Quem é o maior intelectual vivo do mundo? Impossível chegar a um consenso, mas não há dúvida de que Thomas Sowell deve ser incluído em qualquer lista de candidatos. Se existe uma “consciência negra”, difícil imaginar um representante mais qualificado e admirável.
Autor de mais de trinta livros fundamentais sobre temas que vão da política e da economia até as questões raciais mais complexas e polêmicas, Sowell é uma das grandes referências intelectuais das últimas décadas e muitas de suas obras já foram traduzidas para o português. Se você nunca leu Sowell, largue esse texto agora e escolha um livro dele, qualquer um, e mergulhe de cabeça. Você sairá da experiência muito maior do que entrou.
Um dos mais brilhantes economistas da história, Sowell é um incômodo para os arautos das narrativas ideológicas que usam o negro para manipular ideias que vão da eterna culpa da sociedade pela escravidão à adoração mais servil ao politicamente correto. Sowell é um gigante do pensamento contemporâneo e um exemplo de superação, trabalho duro e talento, e por isso muitos preferem fingir que ele não existe.
Quantos brasileiros já ouviram falar em Thomas Sowell? Agradeço quem tiver a informação correta, mas o resultado da pesquisa no Google Trends não é nada animador. Um outro Thomas, também economista e autor, o socialista francês Piketty é muito mais pesquisado no Google brasileiro desde 2014, ano do lançamento do equivocado “O Capital do Séc. XXI”, o que diz mais sobre o Brasil do que sobre ambos.
De volta ao mercado, Sowell se formou com louvor em economia em Harvard, complementando os estudos com mestrado em Columbia e um doutorado pela Universidade de Chicago, uma das mais prestigiosas escolas de economia do mundo. Pupilo preferido de Milton Friedman, com quem participou de debates antológicos que ainda fazem sucesso no YouTube, Sowell é considerado por muitos o mais brilhante aluno do vencedor do Nobel de Economia de 1964 até os dias de hoje.
Seu primeiro trabalho como economista foi no governo federal, realizando estudos sobre o impacto do salário mínimo no emprego. Até aquele momento, Sowell se dizia um marxista, mas nada como uma experiência rápida como funcionário público para mudar para sempre sua cabeça. O que pode parecer óbvio para o cidadão comum que depende do Estado é motivo de espanto para muitos intelectuais.
Ao perceber que a política de salário mínimo criava uma barreira de entrada para negros com pouca experiência ou especialização no mercado, gerando desemprego em vez de vencimentos mais altos, Sowell se surpreendeu ao entender que nenhum funcionário do ministério do trabalho estava interessado em suas descobertas. Sowell viu que os burocratas do governo não tinham qualquer compromisso com os resultados práticos de suas políticas, a única preocupação era a manutenção dos próprios empregos. Foi a lição que mudou sua vida.
Sowell nunca relativizou ou ignorou o racismo, do qual já foi alvo, mas escolheu rejeitar a vitimização por entender que ela escraviza a alma numa agenda de ressentimento e ódio que nunca termina bem. Ele preferiu vencer com inteligência, talento e trabalho duro e sua vida é uma prova definitiva de como tudo é possível quando há disposição pessoal e um ambiente com abundância de oportunidades, o que só uma sociedade livre e próspera fornece.
O menino negro e pobre da Carolina do Norte se tornou uma voz ativa nos anos 80 e 90 contra a política de cotas raciais, principalmente nas universidades aqui da Califórnia. Através de suas pesquisas, ele mostrava que a lei de cotas raciais americana (Affirmative Action) era um desastre para a comunidade negra. Em suas palestras e entrevistas ainda nos anos 80, Sowell mostrava que a política de cotas raciais para admissões servia apenas para mostrar boas intenções por parte das universidades, mas as reais consequências nunca eram mostradas.
Os números de estudantes negros graduados e com diploma após quatro anos eram frustrantes. Apenas na Universidade da Califórnia em Berkeley, por exemplo, 70% dos negros que entravam usando o programa de cotas raciais desistiam da vida acadêmica ainda no primeiro ano, o que não acontecia antes da adoção do sistema de cotas.
Aplaudido e respeitado como professor de algumas das principais universidades americanas como UCLA, Harvard e Stanford, Sowell sempre defendeu que a política de cotas raciais colocaria muitos negros em ambientes em que não estariam preparados academicamente para estar, fazendo com que estes potenciais bons alunos de universidades menos badaladas se tornassem péssimos estudantes das faculdades de elite, o que foi comprovado por outros estudiosos e autores como Malcolm Gladwell.
Thomas Sowell celebrou quando a política de cotas universitárias foi abandonada na Califórnia em 1996 (Proposition 209) num referendo com quase 55% dos votos a favor do banimento. Os números de admissões de negros nos anos seguintes (1998-2006) caíram quase pela metade e Sowell foi muito criticado por apoiar a proposição, mas pouco tempo depois, entre 2007 e 2015, as admissões de estudantes negros voltaram ao patamar dos anos anteriores. A diferença agora é que quase todos os estudantes conseguem o diploma.
Enquanto Sowell continua fornecendo contribuições intelectuais incomparáveis aos 87 anos, o Brasil hoje parou para um feriado que tem como símbolo Zumbi dos Palmares. Sabe-se pouco de Zumbi, mas após fugir do cativeiro organizou um quilombo em que ele próprio tinha escravos. O líder de Palmares não era contra a escravidão, mas contra ser escravizado. Zumbi comandou seu quilombo com mão de ferro e sua conduta não é, na essência, muito diferente de seus antigos senhores. Pesquise.
Respeito todos que idolatram Zumbi, mas acredito que Thomas Sowell deveria ser seriamente considerado como um modelo alternativo para quem quer conhecer histórias inspiradoras de superação da comunidade negra. O Brasil já teve um presidente negro, o jurista Nilo Peçanha, igualmente ignorado pela militância. Outros intelectuais do primeiro time como André Rebouças, Lima Barreto e, claro, Machado de Assis, são também pouco lembrados nestas datas.
Sowell é avesso à tietagem e dá poucas entrevistas, mas isso não impede que façamos a nossa parte em render homenagens a esse gigante intelectual. No dia em que deveríamos avaliar como criar um ambiente mais propício para que todos, incluindo negros, tenham mais oportunidades para uma vida livre, próspera e feliz, faça a sua parte e abra um livro dele. Quanto mais populares as idéias de Sowell, um pouco melhor o mundo vai ficando. Viva Sowell!

"Presidente do Irã anuncia fim do Estado Islâmico" / Correio da Bahia

Presidente do Irã anuncia fim do Estado Islâmico

Hassan Rouhani fez um pronunciamento na TV Estatal nesta terça-feira
O presidente do Irã, Hassan Rouhani, anunciou o fim do Estado Islâmico, em um pronunciamento transmitido pela TV Estatal, nesta terça-feira (21). "Hoje, com a guia de Deus e a resistência do povo da região, podemos dizer que este mal foi retirado da cabeça das pessoas ou foi reduzido. Claro que os restos permanecerão, mas a fundação e as raízes foram destruídas", destacou Rouhani
Durante o pronunciamento, Hassan afirmou que a erradicação do Estado Islâmico só foi possível graças a uma luta conjunta entre o Irã, Síria, do Iraque e do Líbano.
O comandante da Guarda Revolucionária do Irã, Qassem Soleimani, reafirmou o fim do grupo extremista numa mensagem enviada ao líder supremo do país que foi publicada na Sepah News, o site de notícias dos Guardas.
NA sexta-feira, as forças iraquianas retomaram, a cidade de Rawa, que era dominada por extremistas, e indicaram o colapso do autoproclamado califado pelas terras do Iraque e da Síria.
A mídia iraniana em publicado fotos de membros do governo iraquiano em regiões que eram dominadas pelo EI. Na semana passada, foram publicadas fotos de Soleimani em Albu Kamal, no leste da Síria, a cidade que Soleimani disse ter sido o último território tomado ao Estado islâmico na região. 
A Guarda Revolucionária, a força militar mais poderosa do Irã, tem apoiado o presidente sírio, Bashar al-Assad, e o governo de Bagdá há anos.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

"Assédio sexual e pânico moral" / Lúcia Guimarães

Assédio sexual e pânico moral

A retaliação ao momento que atravessamos me parece inevitável

Lúcia Guimarães, O Estado de S. Paulo
20 Novembro 2017 | 03h00


Lúcia Guimarães, O Estado de S. Paulo
20 Novembro 2017 | 03h00
Quem se hospeda num hotel de Nova York e ouve a arrumadeira bater à porta, espera sabonete, shampoo, uma troca de toalhas. Muitos não sabem que ela traz sempre consigo um aparelho discreto: um botão de pânico. Depois que o ex-diretor do FMI Dominique Strauss-Kahn foi preso e acusado de tentar estuprar uma arrumadeira num hotel de Manhattan, em 2011, o sindicato que reúne 30 mil empregados na indústria hoteleira da cidade conseguiu incluir o botão de pânico em contratos. Strauss-Kahn não enfrentou a justiça por inconsistências na acusação, mas o caso chamou atenção para o segredo sujo da indústria hoteleira.
Mulheres são mais da metade dos empregados na indústria de serviços nos EUA e, embora não se saiba se alguma delas atraiu a fúria do provável réu e estuprador serial Harvey Weinstein, elas formam também a maioria das vítimas de agressão sexual no local de trabalho.
A rotina semanal de novas acusações de assédio sexual praticado por homens poderosos em Hollywood, no Congresso, nas redações e em corporações está provocando um pânico moral que pode levar a uma retaliação e, quem sabe, a um retrocesso. O que seria mais grave para as vítimas anônimas que precisam de proteção. Quanto mais baixo o salário, mais vulnerável a(o) empregada(o). As arrumadeiras de hotel são presa fácil por ficarem a sós com hóspedes no quarto. Mas, nos últimos três anos, pesquisas entre empregados de restaurantes em todo o país colocaram o índice de vítimas entre 40% e 60%.



Sobre o pânico moral, a excelente autora russo-americana Masha Gessen lembrou esta semana, num artigo na revista New Yorker, que ele é geralmente o resultado de um problema negligenciado por muito tempo, até que um caso marcante – o de Harvey Weinstein – captura a imaginação do público. O problema do pânico moral, além do óbvio risco de destruir vidas de inocentes falsamente acusados, é oferecer uma catarse que não vai proteger a arrumadeira do hotel ou trazer transformação cultural.