sábado, 16 de maio de 2015

Mais do mesmo agora com Dilma ... // blog do Josias

Comentários de Graça deixam Dilma mal na fita http://flip.it/wZgGx

Comentários de Graça deixam Dilma mal na fita

Josias de Souza

 Imprimir Comunicar erro

Data: 23 de janeiro de 2015. Local: sala de reuniões do Conselho de Administração da Petrobras. Sobre a mesa, o cálculo das perdas que a estatal teria de levar ao seu balanço: R$ 88,6 bilhões. A certa altura, um dos conselheiros, Francisco Roberto de Albuquerque, quis saber se os responsáveis pela conta haviam ponderado os riscos de prejuízos adicionais em processos que correm contra a Petrobras no Brasil e no exterior.
Ainda na presidência da estatal, Graça Foster reagiu assim: “Se eu vou ser presa ou não, não entrou na metodologia. Se eu vou ter que entregar a casa que moro por conta desses valores, não entrou na metodologia. Fizemos as contas como as contas são.'' A reação de Graça consta da ata e da gravação feitas durante a reunião, informa a repórter Andréia Sadi.
Graça relatou aos conselheiros que, em reunião da diretoria da Petrobras, ocorrida na véspera, admitira-se que os diretores falharam. Do ponto de vista administrativo, incorreram em má gestão ao permitir que a roubalheira corresse solta. Vale a pena ouvir essa Graça Foster de quatro meses atrás:
“Não é possível que essa diretoria, durante três anos, no meu caso e do [Almir] Barbassa, durante outros quatro anos, deixamos que tal coisa acontecesse. Eu posso dizer: não, mas eu era diretora de Gás e Energia e na área de Gás e Energia as coisas estão acomodadas. Mas eu, como diretora e presidente, não poderia ter deixado chegar aonde chegou.''
Ao especular sobre o que poderia suceder depois da divulgação dos prejuízos, Graça soou assim: ''Aí até fala [sic] em prisão. Até fala em prisão tem aqui. Eu estou falando de uma metodologia 'by the book'. Agora, o que vai acontecer com meu emprego? Com a minha carreira? Com a minha vida pessoal? Eu não sei, tenho os advogados que vão dizer. A metodologia tem que ser imune aos meus medos e meus receios.''
Na administração pública, o que te dizem em público nunca é tão importante quanto o que você ouve sem querer. Trazidas à luz a contragosto do governo, as atas e gravações da petroleira expressam uma verdade inconveniente. Ninguém pode ser diretor e conselheiro de uma grande empresa como a Petrobras impunemente.
Ao dizer que ela, “como diretora e presidente, não poderia ter deixado chegar aonde chegou'', Graça deixa pendurada na atmosfera uma pergunta incontornável: E quanto a Dilma Rousseff, que no auge dos escândalos presidia o Conselho de Administração da Petrobras?'' Bem, a presidente se escora no surrado bordão: “Eu não sabia”. E acha que com isso está isenta de todas as culpas. Como a plateia não é boba, a popularidade de madame roça o assoalho.

Charge de Aroeira // blog do Josias

Risca ou arrisca?!? 
1

Josias de Souza

– Via Aroeira.

Novidade: mochila voadora !

A tecnologia vai solucionar o caos do transporte urbano? http://flip.it/G6gD2

A tecnologia vai solucionar o caos do transporte urbano?



BBC
Empresa da Nova Zelândia pretende comercializar jatos individuais a partir de 2016

Não aguenta mais engarrafamentos e o trem lotado? Então, que tal ir para o trabalho usando uma mochila-foguete?
A empresa Nartin Aircraft Company, da Nova Zelândia, está desenvolvendo um modelo com previsão de chegada ao mercado em 2016. E ele realmente parece funcionar.
Apesar de estar sendo criado para uso por serviços de emergência, não é difícil imaginá-lo sendo usado por cidadãos comuns rumo ao escritório.
"Não ficaríamos surpresos se, dentro de cinco a dez anos, as pessoas estiverem voando por aí diariamente", afirma o presidente da companhia, Peter Coker.
É claro que, ao menos até agora, essas máquinas de voo individuais ainda parecem distantes da maioria de nós.
E enquanto isso, as populações das grandes cidades crescem a um ritmo acelerado, e o congestionamento, a poluição e o estresse tendem a aumentar, a menos que mudemos nossos sistemas de transporte urbano.

Cidades mais sustentáveis

Algumas cidades estão investindo em grandes projetos de infraestrutura. Londres, por exemplo, está construindo uma linha de trem de 118 quilômetros, a Crossrail.
Outras apostam em alternativas de transporte sustentáveis, como os ônibus elétricos e sistemas de compartilhamento de bicicletas.
Copenhague, na Dinamarca, estabeleceu a meta de se tornar a primeira capital do mundo "neutra" em emissões de carbono até 2025 e investiu em uma rede de bicicletas elétricas públicas - o que já havia sido feito por outras cidades, como Paris, na França, Madri e Barcelona, na Espanha, e a Cidade do México.
As bicicletas de Copenhague têm tablets com GPS instalados no guidão. Os usuários podem reservar e pagar pelo serviço por celular.
Em outras cidades ao redor do mundo, autoridades estão testando formas de carregar a bateria de ônibus elétricos sem usar fios, por meio de plataformas especiais em garagens.
No Reino Unido, a empresa Carbon Trust acredita que, em 2050, até 50% dos veículos leves serão movidos a hidrogênio.

Mudança de faixa

Mas, para muitos, a mudança radical não depende dos tipos de transporte - e sim da forma como os usamos.
"Em uma ou duas décadas, as formas de transporte podem não ser tão diferentes das que existem hoje - ainda teremos ônibus, metrô e trens", afirma Paul Zanelli, diretor de tecnologia do Transport Systems Catapult, um dos sete centros de tecnologia criados pelo governo britânico nessa área.
"Mas, em vez de comprar um pedaço de papel em uma estação de trem (a passagem) e, ao final da viagem, andar até o lado de fora para pegar um táxi, tudo estará integrado."
Simplesmente decidiremos para onde queremos ir e um aplicativo descobrirá a forma mais rápida e barata de chegar até lá, acredita Zanelli.
"As opções serão baseadas no que o programa sabe de você, da situação do trânsito e até mesmo da previsão do tempo. Então, ele poderá chegar à conclusão que, como está um belo dia lá fora e sua rota normal está com problemas, é melhor reservar uma bicicleta elétrica ou um táxi automático."
Para Colin Divall, professor da Universidade York, parte da solução para o problema do transporte público depende de um melhor planejamento.
"A parte realmente difícil é nos organizarmos de forma a, antes de mais nada, minimizar a necessidade das pessoas e coisas se deslocarem", ele diz.
"Isso significa fazer cidades e áreas urbanas com um design melhor. Viajar sem pressa às vezes é melhor que viajar rapidamente."

Compartilhamento


Getty
Depois de revolucionar mercado de táxis, Uber lançou app para compartilhar corridas

Carlo Ratti, diretor do Laboratório Senseable City, do Massachusetts Institute of Technology (MIT), acredita que nossa relação com carros está mudando.
"Estamos no começo de uma revolução. No futuro, veremos cada vez mais carros compartilhados em nossas cidades. Prevemos que quatro de cada cinco automóveis poderão sair das ruas em mais alguns anos."
Análises feitas no laboratório do MIT chegaram à conclusão de que, se as pessoas compartilhassem táxis na cidade de Nova York, a demanda por este tipo de transporte cairia 40% e ainda assim todo mundo chegaria aonde quer.
Uber, um aplicativo de táxi, já está mexendo com a indústria de táxis tradicional. A empresa também lançou um sistema de compartilhamento de corridas, o UberPool, em agosto do ano passado - o que considerou um "ousado experimento social".
Muitas fabricantes de carros, cientes de que o costume de ser dono de um carro está em declínio, também estão começando a investir em seus próprios sistemas de compartilhamento de veículos.

Sem as mãos do volante


Design Museum
Google desenvolve modelo de carro que dispensa motorista

Uma mudança ainda maior pode estar em curso com os carros que dispensam motoristas.


"A tecnologia já existe. Esses carros autônomos começarão a ser vendidos no próximo ano. Carros que se autodirigem têm o potencial de gerar um impacto enorme na vida urbana, porque será mais difícil distinguir entre as formas de transporte público e privado", afirma Ratti, do MIT.
"Seu carro poderá levá-lo ao trabalho de manhã e, depois, em vez de ficar parado no estacionamento, poderá transportar outra pessoa de sua família - ou mesmo um vizinho, conhecido ou qualquer outro que viva na mesma cidade."
É preciso destacar que muitos especialistas são céticos quanto às perspectivas imediatas desses novos carros, dados os desafios legais, de regulamentação e tecnológicos que eles ainda enfrentam.

Redes sociais

Um mundo sem engarrafamentos pode parecer uma realidade distante ou até mesmo uma utopia quando se está em uma plataforma de trem ouvindo que o serviço foi interrompido por algum motivo.
Mas ao menos as mídias sociais e as análises de grandes volumes de dados já estão nos ajudando a criar alternativas de transporte mais inteligentes ou a gerenciar nossos sistemas de transporte de forma mais eficiente.
No Brasil, por exemplo, a análise de dados de veículos e de passageiros vem identificando falhas no sistema de ônibus de São Paulo (leia no quadro ao lado).
Muitos de nós usamos redes sociais para verificar atrasos ou cancelamentos de sistemas de transporte em contas dos provedores desses serviços e de conhecidos.
Mapear as mídias sociais fornece dados valiosos para os operadores de sistemas de transporte, segundo Mike Saunders, presidente da Commonplace, uma empresa especializada nesse tipo de análise.
"Muita informação é gerada pelo Twitter e isso pode ser usado para entender problemas e atrasos", diz ele.
"O desafio mais difícil é garantir que os dados sejam precisos e à prova de falhas."
Diante de todas essas inovações, podemos dizer que o transporte urbano do amanhã promete ser mais sustentável, limpo, integrado e inteligente.
Mas, para milhões de pessoas que estão frustradas ao redor do mundo com as alternativas disponíveis hoje, o importante é que esse futuro vire mesmo realidade - e logo.

A Esperança mora no exterior... // BBC Brasil



Blogueiro britânico diz que brasileiros exageram na rejeição ao Brasil

  • 14 maio 2015
  •  
  • 54comentários
Pouco depois de chegar a São Paulo, fui a uma loja na Vila Madalena comprar um violão. O atendente, notando meu sotaque, perguntou de onde eu era. Quando respondi "de Londres", veio um grande sorriso de aprovação. Devolvi a pergunta e ele respondeu: ‘sou deste país sofrido aqui’.
Fiquei surpreso. Eu - como vários gringos que conheço que ficaram um tempo no Brasil - adoro o país pela cultura e pelo povo, apesar dos problemas. E que país não tem problemas? O Brasil tem uma reputação invejável no exterior, mas os brasileiros, às vezes, parecem ser cegos para tudo exceto o lado negativo. Frustração e ódio da própria cultura foram coisas que senti bastante e me surpreenderam durante meus 6 meses no Brasil. Sei que há problemas, mas será que não há também exagero (no sentido apartidário da discussão)?
Tem uma expressão brasileira, frequentemente mencionada, que parece resumir essa questão: complexo de vira-lata. A frase tem origem na derrota desastrosa do Brasil nas mãos da seleção uruguaia no Maracanã, na final da Copa de 1950. Foi usada por Nelson Rodrigues para descrever “a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo”.
E, por todo lado, percebi o que gradualmente comecei a enxergar como o aspecto mais 'sofrido' deste país: a combinação do abandono de tudo brasileiro, e veneração, principalmente, de tudo americano. É um processo que parece estrangular a identidade brasileira.
Sei que é complicado generalizar e que minha estada no Brasil não me torna um especialista, mas isso pode ser visto nos shoppings, clones dos 'malls' dos Estados Unidos, com aquele microclima de consumismo frígido e lojas com nomes em inglês e onde mesmo liquidação vira 'sale'. Pode ser sentido na comida. Neste "país tropical" tão fértil e com tantos produtos maravilhosos, é mais fácil achar hot dog e hambúrguer do que tapioca nas ruas. Pode ser ouvido na música americana que toca nos carros, lojas e bares no berço do Samba e da Bossa Nova.
Tapioca
Cadê a tapioca?
Pode ser visto também no estilo das pessoas na rua. Para mim, uma das coisas mais lindas do Brasil é a mistura das raças. Mas, em Sampa, vi brasileiras com cabelo loiro descolorido por toda a parte. Para mim (aliás, tenho orgulho de ser mulato e afro-britânico), dá pena ver o esforço das brasileiras em criar uma aparência caucasiana.
Acabei concluindo que, na metrópole financeira que é São Paulo, onde o status depende do tamanho da carteira e da versão de iPhone que se exibe, a importância do dinheiro é simplesmente mais uma, embora a mais perniciosa, importação americana. As duas irmãs chamadas Exclusividade e Desigualdade caminham de mãos dadas pelas ruas paulistanas. E o Brasil tem tantas outras formas de riqueza que parece não exaltar...
Um dos meus alunos de inglês, que trabalha em uma grande empresa brasileira, não parava de falar sobre a América do Norte. Idealizou os Estados Unidos e Canadá de tal forma que os olhos dele brilhavam cada vez que mencionava algo desses países. Sempre que eu falava de algo que curti no Brasil, ele retrucava depreciando o país e dando algum exemplo (subjetivo) de como a América do Norte era muito melhor.
O Brasil está passando por um período difícil e, para muitos brasileiros com quem falei sobre os problemas, a solução ideal seria ir embora, abandonar este país para viver um idealizado sonho americano. Acho esta solução deprimente. Não tenho remédio para os problemas do Brasil, obviamente, mas não consigo me desfazer da impressão de que, talvez, se os brasileiros tivessem um pouco mais orgulho da própria identidade, este país ficaria ainda mais incrível. Se há insatisfação, não faz mais sentido tentar melhorar o sistema?
Destaco aqui o que vejo como um uma segunda colonização do Brasil, a colonização cultural pelos Estados Unidos, ao lado do complexo de vira-latas porque, na minha opinião, além de andarem juntos, ao mesmo tempo em que existe um exagero na idealização dos americanos, existe um exagero na rejeição ao Brasil pelos próprios brasileiros. É preciso lutar contra o complexo de vira-latas. Uma divertida, porém inspiradora, lição veio de um vendedor em Ipanema. Quando pedi para ele botar um pouco mais de 'pinga' na caipirinha, ele respondeu: "Claro, (mermão) meu irmão. A miséria tá aqui não!" Viva a alma brasileira!
Leia outros posts do 'Para Inglês Ver'
Sempre diziam a Lily que ela parecia brasileira. Veja o que descobriu quando chegou ao Brasil...
Yara é filha de brasileira e inglês. Queria cozinhar e lavar louça e a família se espantou.
James falou sobre burocracia, desigualdade e adorou o funk carioca!

Imagens do BING....!

Viaje sem passaporte... !




Resultado de imagem para bing imagensLooking down on the Golden Gate Bridge, San Francisco, California, U.S.