Postagem em destaque

Slow Motion Bossa Nova - Celso Fonseca & Ronaldo Bastos

Encante-se ...!

sábado, 23 de agosto de 2014

Futebol sofre com conflito entre Ucrânia e Rússia.... Estádio é bombardeado em Donetsk


23/08/2014 08h20 - Atualizado em 23/08/2014 09h47


Estádio do Shakhtar Donetsk é 




bombardeado na Ucrânia

Donbass Arena sofre ataque, mas clube diz que nenhuma pessoa foi ferida. Por causa de conflitos, equipe com 13 brasileiros se mudou para Kiev

Por Donestk

26 comentários
A Donbass Arena, estádio do Shakhtar Donetsk, foi bombardeada na manhã deste sábado, na Ucrânia. De acordo com o site do clube, a parte nordeste foi atacada e sofreu sérios danos. Nenhuma pessoa ficou ferida, de acordo com a diretoria.
Na última quinta, o Shakhtar havia publicado em seu site oficial fotos da Donbass Arena para negar que o estádio havia sido bombardeado como foi publicado por jornais locais no dia. Porém, neste sábado duas explosões aconteceram e o clube divulgou as imagens dos danos.
Estádio do Shakhtar bombardeado (Foto: Divulgação/Shakhtar)Estádio do Shakhtar bombardeado na manhã neste sábado em Donetsk (Foto: Divulgação/Shakhtar)
A região do clube que conta com 13 jogadores brasileiros tem sofrido com uma guerra civil. No dia 17 de julho, o voo MH17 da Malaysia Airlines, com 298 pessoas a bordo, caiu na cidade quando viajava de Amsterdã para Kuala Lumpur. A suspeita é de que ele tenha sido abatido por mísseis disparados por separatistas pró-Rússia que estão à frente do movimento no leste da Ucrânia. O fato, é claro, intensificou ainda mais a crise entre as duas nações e encorpou um legado nada animador dos conflitos.
Por causa do problema, seis atletas chegaram a não se apresentar ao Shakhtar na pré-temporada. Entre eles, cinco brasileiros: Alex Teixeira, Dentinho, Douglas Costa, Fred e Ismaily (além do argentino Facundo Ferreyra). O atacante Bernard, que disputou a Copa do Mundo pela Seleção, também atrasou o retorno ao clube alegando medo por causa dos conflitos.
O técnico Mircea Lucescu e a diretoria decidiram mudar o time para Kiev nesta temporada, para fugir dos problemas em Donetsk. Assim, o Shakhtar não tem mandado seus jogos na Donbass Arena. Neste sábado, a entra em campo contra o Obolon-Brovar, fora de casa, pela Copa da Ucrânia.
Estádio do Shakhtar bombardeado (Foto: Divulgação/Shakhtar)Os estragos na Donbass Arena (Foto: Divulgação/Shakhtar)


Estádio do Shakhtar bombardeado (Foto: Divulgação/Shakhtar)De acordo com o Shakhtar, nenhuma pessoa ficou ferida após o bombardeio (Foto: Divulgação/Shakhtar)

Estádio do Shakhtar bombardeado (Foto: Divulgação/Shakhtar)Por causa dos conflitos, o Shakhtar tem mandado seus jogos em Kiev (Foto: Divulgação/Shakhtar)

"Estado Islâmico é devoto a uma ideologia fanática" ....

http://www.dw.de/estado-isl%C3%A2mico-pode-ser-mais-perigoso-do-que-al-qaeda-advertem-eua/a-17871141

MUNDO

"Estado Islâmico" pode ser mais perigoso do que Al Qaeda, advertem EUA

Sofisticação militar do grupo representa enorme ameaça ao Ocidente, segundo secretário de Defesa americano. Militantes já dominam um terço do Iraque.
Chuck Hagel, secretário de Defesa dos EUA
A sofisticação e o poder militar do "Estado Islâmico" (EI) representam uma ameaça enorme aos Estados Unidos, que pode superar a da Al Qaeda, afirmaram líderes militares americanos nesta quinta-feira (21/08).
"Eles são uma ameaça iminente para todos os nossos interesses, no Iraque ou em qualquer outro lugar", disse o secretário de Defesa dos EUA, Chuck Hagel, sobre o EI. O grupo militante já tomou um terço do território iraquiano e divulgou, nesta semana, um vídeo que mostra a decapitação do jornalista e refém americano James Foley.
Quando perguntado se o EI representaria uma ameaça aos EUA comparável àquela do atentado de setembro de 2001, Hagel disse a jornalistas no Pentágono que o grupo é "mais do que qualquer outro grupo terrorista".
"Eles combinam ideologia e sofisticação militar, técnica e estratégica. Eles são extremamente bem financiados. Isso está além de tudo o que tudo o que já vimos", disse o secretário de Defesa.
Ogeneral Martin Dempseychefe do Estado-Maior americano, afirmou que o grupo poderia ameaçar diretamente o Ocidente com o retorno de cidadãos europeus ou americanos a seus países de origem, depois de terem lutado na Síria ou no Iraque.
Os radicais do EI poderiam ser contidos e eventualmente derrotados por forças locais apoiadas pelos EUA, mas, para isso, a população sunita tanto do Iraque quanto da Síria teria que rejeitar o grupo, disseram Hagel e Dempsey.
O general disse ainda que o grupo é devoto a uma ideologia fanática e, a longo prazo, pretende conquistar o Líbano, Israel e o Kuwait. "Se eles concretizarem esses planos, isso alteraria fundamentalmente o Oriente Médio e criaria uma situação que certamente nos afetaria de diversas maneiras."
Hagel disse que dezenas de ataques aéreos dos EUA ajudaram a conter os jihadistas na região da barragem de Mossul, no norte do Iraque. "Os ataques aéreos, as armas e a assistência americanos ajudaram as forças iraquianas e curdas a conter o avanço do EI na região de Erbil, onde diplomatas e tropas americanas estão trabalhando, e a recuperar a barragem de Mossul."
Perguntado se os EUA atacariam os militantes na vizinha Síria, Hagel não descartou a possibilidade, mas também não indicou que ataques sejam iminentes. "Eles podem ser derrotados sem considerarmos a parte da organização que reside na Síria? A resposta é não", completou o general Dempsey.
LPF/afp/rtr

MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Tem brasileiro no pódio da natação... Matheus Santana bate pela 3ª vez o recorde mundial de 100 metros livres da categoria júnior nas Olimpíadas da Juventude

http://globoesporte.globo.com/jogos-olimpicos-da-juventude/noticia/2014/08/matheus-santana-da-o-troco-em-chines-e-e-ouro-nos-100m-livre-em-nanquim.html
22/08/2014 07h36 - Atualizado em 22/08/2014 10h10

Sob olhares de Popov, Matheus bate próprio recorde, é ouro e cai no choro

Brasileiro revive o corte

do Mundial Júnior no ano passado, se emociona ao receber o ouro nos 100m livre, e consegue a marca de 48s25, o quinto melhor tempo do mundo

Por 
Sob os olhares de Alexander Popov, lenda russa da natação, Matheus Santana brilhou. Bateu pela terceira vez o recorde mundial júnior dos 100m livre, com o tempo de 48s25, e conquistou a tão sonhada medalha de ouro em Nanquim, nas Olimpíadas da Juventude. No pódio, chorou copiosamente. Em sua mente, reviveu os momentos tristes de 2013, quando acabou cortado do Mundial Júnior por conta da diabetes. Agora, alguns meses depois, o menino prodígio do Time Brasil na China fechou em cores douradas o que até agora é o maior capítulo de sua vida.
- Foi a maior prova da minha vida. Chorei porque vive momentos difíceis no ano passado. Fui cortado do Mundial Júnior por causa da diabetes e foi um momento complicado para mim. Não foi fácil. Mas tive ajuda do Comitê Olímpico do Brasil, do Unisanta, da família e dos amigos, e dei a volta por cima. Coloquei minha cabeça no lugar e vive uma sensação no pódio difícil até de descrever - explicou Matheus Santana, que conquistou outras duas medalhas, a prata nos 50m livre e também nos 4x100m livre misto. 
Matheus Santana 100m livre (Foto: Wander Roberto/Inovafoto/COB)Matheus Santana chora após receber a medalha de ouro (Foto: Wander Roberto/Inovafoto/COB)
Matheus nadou para 48s25. O tempo é o quinto melhor do ano nos 100m livre, inclusive entre os profissionais. A marca o deixa a apenas alguns centésimos de Cesar Cielo, que tem 48s12 em 2014. Mesmo feliz, Matheus não deixou a competição em Nanquim 100% completo. Na final dos 100m livre, seu tempo de reação foi de 0,73 centésimos, a segunda pior. Não fosse isso, talvez conquistasse seu outro objetivo. 
- Melhorei o recorde, mas ainda não nadei para o meu objetivo, para o que treinei. Queria nadar na casa dos 47s. Meu tempo de reação não foi muito bom. Se melhorasse isso, o que não consigo as vezes, poderia ter chegado mais perto do objetivo. Mas estou feliz demais. Os 100m livre é a prova que eu tenho mais facilidade, fiz uma boa prova, entrei tranquilo e consegui fazer minha parte - comentou Matheus. 
Matheus Santana 100m livre (Foto: Wander Roberto/Inovafoto/COB)Matheus Santana vibra ao completar em primeiro os 100m livre (Foto: Wander Roberto/Inovafoto/COB)

Além da vitória, Matheus deu o troco no chinês Hexin Yu, que havia o vencido na final dos 50m livre, com Matheus ficando com a prata. O chinês foi o segundo com o tempo de 49s06, virando os primeiros 50m em primeiro. O alemão Damian Wierling fechando o pódio com 49s07. - Eu nem fiquei olhando muito para o lado. Nem vi o chinês direito. Vi que estava praticamente sozinho na frente. E desta vez não deu para ele.
Alexander Popov Jogos Olímpicos Juventude (Foto: Thierry Gozzer)Alexander Popov acompanha a vitória de Matheus (Foto: Thierry Gozzer)
Alexander Popov, legenda da natação e medalhista de ouro na prova dos 100m livre nas Olimpíadas de Barcelona, em 1992, acompanhou a prova de Matheus de perto. Membro do Comitê Olímpico Internacional, ele não falou com a imprensa, mas mostrou-se impressionado com o tempo de Matheus ao conversar com membros do Comitê Olímpico do Brasil.
A medalha foi a nona do Brasil nos Jogos Olímpicos da Juventude. São três ouros, com Matheus, Edival Marques, do taekwondo, e Layana Colman, do judô, além de cinco pratas, com Flavia Saraiva, na ginástica artística, Layana Colman na disputa por equipes intercontinentais, Matheus Santana, nos 50m livre, o revezamento 4x100m livre misto do Brasil, e Bianca Rodrigues no hipismo de saltos entre equipes continentais. 
Brasil faz mais duas finais
Nesta sexta-feira, o Brasil ainda fez mais duas finais na natação. Luiz Altamir acabou com a quinta colocação, com a marca de 1min58s34. O ganhador da medalha de ouro foi o húngaro Tamas Kenderesi, com o tempo de 1min55s95. No revezamento 4x100m medley misto, o Brasil fez o quarto tempo com 3m53s93, e ficou em quarto lugar com um time formado por Matheus Santana, Giovana Diamante, Andreas Queiroz e Nattalia de Luccas.

Dezoito palestinos foram executados em Gaza por colaborar com Israel

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/08/homens-sao-executados-em-gaza-por-colaboracao-com-israel-diz-hamas.html

France Presse
22/08/2014 08h44 - Atualizado em 22/08/2014 09h48

Homens são executados em Gaza por colaboração com Israel, diz Hamas

Canal de televisão do movimento islamita fez anúncio.
18 homens foram executados, seis deles diante de uma mesquita.


Da France Presse
Militantes do Hamas cercam palestinos acusados de terem colaborado com Israel nesta sexta-feira(22); 18 foram mortos (Foto: Reuters)Militantes do Hamas cercam palestinos acusados de terem colaborado com Israel nesta sexta-feira(22); 18 foram mortos (Foto: Reuters)

Dezoito palestinos acusados de "colaboração" com Israel foram executados nesta sexta-feira (22) na Faixa de Gaza, anunciou o canal de televisão do movimento islamita Hamas, que controla o território palestino.
Seis deles foram executados diante de uma mesquita, no momento em que centenas de fiéis deixavam o local, por homens vestidos com o uniforme das Brigadas Ezedin al-Qasam, braço armado do Hamas.
As vítimas, com as cabeças cobertas e mãos amarradas, foram mortas por atiradores mascarados vestidos de preto diante de uma multidão de muçulmanos que deixavam uma mesquita após a realização de preces, disseram o Al-Majd, site do Hamas, e testemunhas.
Outros 11 foram executados perto da sede da polícia no centro de Gaza, informaram testemunhas e o site Majd, ligado ao Hamas. Mais um foi executado em uma praça próxima
Estas execuções aconteceram um dia depois que três comandantes do braço armado do Hamas morreram em um bombardeio israelense contra um prédio de Rafah, sul da Faixa de Gaza.
A "resistência", termo usado para designar os grupos armados que lutam contra Israel em Gaza, reforçaram a "luta no terreno contra a colaboração com o inimigo que comete assassinatos", afirma o site Majd.
Segundo o site, que cita sem dar nomes um dirigente da segurança em Gaza, a "resistência" realizou as execuções depois de "um procedimento judicial".
"Todos os colaboracionistas serão julgados por tribunais revolucionários e receberão as penas previstas para este delito", afirmou esta fonte, referindo-se aos tribunais secretos criados pelos movimentos palestinos em Gaza.
Segundo a legislação palestina, os colaboradores, os assassinos e os traficantes de droga podem ser condenados à pena de morte.
Teoricamente, as execuções devem ser aprovadas pelo presidente palestino Mahmud Abbas, que dirige a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) com a qual o Hamas assinou recentemente um acordo de reconciliação.
Palestinos assistem execução de homens acusados de colaboração com Israel em Gaza nesta sexta-feira (22) (Foto: Reuters)Palestinos assistem execução de homens acusados de colaboração com Israel em Gaza nesta sexta-feira (22) (Foto: Reuters)Não se vê uma mulher na foto....
tópicos: