Postagem em destaque

Slow Motion Bossa Nova - Celso Fonseca & Ronaldo Bastos

Encante-se ...!

sexta-feira, 28 de junho de 2013

O Plebiscito custaria R$ 500 milhões... Brasil ' está com bala na agulha'!

Atualizado: 27/06/2013 22:11 | Por Mariângela Gallucci, estadao.com.br

Gastos com plebiscito podem chegar a R$ 500 milhões

A estimativa é feita pela Justiça Eleitoral, que corre contra o relógio para calcular gastos e o tempo necessário para preparar a consulta popular



O plebiscito sobre a reforma política poderá ser realizado em setembro a um custo de R$ 500 milhões. A estimativa é feita por técnicos da Justiça Eleitoral que, na corrida contra o relógio, tentam calcular os gastos e o tempo necessário para preparar a consulta popular.
Veja também:
Desde quarta-feira, quando a presidente Dilma Rousseff telefonou à presidente do TSE, Cármen Lúcia Rocha, para discutir questões práticas e logísticas do plebiscito, o TSE está se mobilizados para avaliar as providências e os gastos.
Normalmente uma consulta popular custa o mesmo que uma eleição. Mas as estimativas atuais são de que o plebiscito sobre a reforma política custará mais do que a eleição municipal de 2012, quando foram gastos R$ 395 milhões. Além da inflação, dois fatores contribuirão para o aumento da conta.
Por causa das mobilizações dos últimos dias e os episódios de confronto, a segurança durante o período do plebiscito deverá ser reforçada por homens das Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica). Em 2012, esse apoio recebeu R$ 24 milhões. Diante das manifestações generalizadas pelo País, a expectativa é de que os pedidos de força federal sejam multiplicados.
Urgência. Além disso, o caráter de urgência deve tornar o plebiscito mais caro. No ano passado, a presidente do TSE anunciou que o custo do voto, de R$ 2,81 por eleitor, foi o menor desde a implantação do sistema eletrônico, em 1996 – e um dos fatores foi o planejamento. "Quanto maior o planejamento, menor é o custo", disse na ocasião.
Se confirmado, o valor final de meio bllhão de reais será o dobro do que foi gasto em 2005 com o referendo do desarmamento. Na ocasião, foram consumidos R$ 252 milhões. Já o plebiscito sobre a divisão ou não do Pará, em 2011, ficou em R$ 19 milhões – mas dele só participaramos paraenses.
Apesar do temop escasso, técnicos do TSE dizem que é possível fazer o plebiscito no início de setembro, dando tempo para que o Congresso aprove até 3 de outubro as leis necessárias para vigorarem na eleição presidencial de 2014.
Pelas regras atualmente em vigor, as alterações no processo eleitoral têm de ser aprovadas atré um ano antes do pleito. Um dos principais pontos do planejamento do plebiscito deverá ser a campanha de esclarecimento aos eleitores.

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Coragem, carinho, gratidão tudo ao mesmo tempo


Furtado de Marcia C

Brasil vai jogar com a Espanha domingo pelo título da Copa das Confederações...Veja fotos de Espanha e Itália no Castelão

http://veja.abril.com.br/multimidia/galeria-fotos/espanha-x-italia-no-castelao-2013

27 de Junho de 2013

Futebol

Espanha x Itália, no Castelão

Jogadores da Espanha comemoram vitória nos pênaltis contra a Itália, na semifinal da Copa das Confederações, em Fortaleza
Jogadores da Espanha comemoram vitória nos pênaltis contra a Itália, na semifinal da Copa das Confederações, e

Os protestos estão mostrando máscaras e efeitos colaterais...

http://aluizioamorim.blogspot.com.br/2013/06/lula-sai-da-toca-insuflando-o-golpe-de.html

quinta-feira, junho 27, 2013


LULA SAI DA TOCA INSUFLANDO O GOLPE DE 


ESTADO

Depois que explodiu o escândalo Rosemary Noronha, a amante de Lula que chefiava a representação da Presidência em São Paulo, o ex-presidente sumiu do mapa. Só falou com a imprensa no exterior onde a soldo de grandes grupos empesariais brasileiros foi proferir palestras.
É que no Brasil Lula não precisas falar com a imprensa. Os penas alugadas do PT que estão nas redações da grande imprensa brasileira fazem o serviço. Passam no aparelho de Lula, o tal instituto lulístico, e lá apanham um press-release produzido pelo João Santana, o marketeiro do Palácio do Planalto e do Palácio Miraflores que sedia o governo da Venezuela.
Desta feita quem serviu de pombo-correio de Lula foi a reportagem do jornal O Globo. Como sempre Lula já ensaiou o discurso, abrindo aquela sua boca podre para mentir e criar teorias conspiratórias debitando à “direita” as arruaças que ocorrem no Brasil. O que não deixa de ser um tremenda mentira, um blefe grotesco, porque no Brasil não existe nenhum partido político de direita, nenhuma organização, nada. Pelo contrário todas as instâncias do Estado e da sociedade civil estão aparelhados pelo PT. 
O Lula é um câncer, um farsante, um rematado mentiroso e responsável por tudo de ruim que vem acontecendo no Brasil na última década e que deságua agora nas ruas numa montagem diabólica onde vândalos e agitadores profissionais com seus rostos escondidos em balaclavas espalham o terror, a velha tática dos comunistas. 
A fala de Lula apenas corrobora o que intui desde que começou esculhambação que varre o Brasil. Isto faz parte da estratégia do PT de golpear as instituições democráticas. Basta apenas fazer uma simples indagação: quem está tirando dividendos políticos desses protestos? É óbvio que é o PT que conseguiu colocar em pauta o que desejava, ou seja, a decantada “reforma política”, para a qual já possui uma completa campanha de marketing, conforme noticiei aqui no blog.
Não é por acaso que já está marcada para o próximo mês uma reunião do Foro de São Paulo, a organização esquerdista que Lula e Fidel Castro fundaram em 1990 e que reúne todos os partidos esquerdistas da América Latina, incluindo aí também grupos terroristas como as FARC, e cuja finalidade explícita é transformar todos os países latino-americanos em Repúblicas Comunistas. Esta é que é a verdade que a grande mídia escamoteia. E o pior é que muitos acreditam que o protesto é legítimo, que o gigante acordou e demais bobagens, quando a horda é apenas massa de manobra do diabólico projeto do PT.
Transcrevo a matéria de O Globo, ou seja, o press-realese do Instituto Lula, cujo lead já começa mentido, quando afirma que Lula foi “surpreendido” pelas manifestações. Ah! sim. Foi surpreendido, eu sei. Leiam:
Surpreendido pelas manifestações que tomaram conta do país, o ex-presidente Luiz Inácio Lula tem reunido os movimentos sociais mais próximos do PT para tratar dos protestos. O tom de Lula impressionou os jovens de grupos como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a União da Juventude Socialista (UJS), o Levante Popular da Juventude e o Conselho Nacional da Juventude (Conjuve). Em vez de pedir conciliação para acalmar a crise no governo, Lula disse que o momento é de “ir para a rua”. Convidados pelo ex-presidente, cerca de quinze lideranças participaram do encontro anteontem, na sede do Instituto Lula, no bairro do Ipiranga, em São Paulo. Estopim para a onda de protestos, o Movimento Passe Livre (MPL) não foi convidado.
— Ele chamou os movimentos de que tem mais proximidade, queria ouvir, saber a impressão. Colocou que é hora de trabalhador e juventude irem para a rua para aprofundar as mudanças. Enfrentar a direita e empurrar o governo para a esquerda. Ele agiu muito mais como um líder de massa do que como governo. Não usou essas palavras, mas disse algo com “se a direita quer luta de massas, vamos fazer lutas de massas”— disse um líder de um dos movimentos sociais.
Da direção nacional da UJS, que conta majoritariamente com militantes do PCdoB, André Pereira Toranski confirmou o tom do encontro:
— O (ex-)presidente queria entender essa onda de protestos e avaliou muito positivamente o que está acontecendo nas ruas.
Da reunião participaram jovens do movimento sindical, negro e de direitos dos homossexuais. Não foram convidados o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTS) e do MPL, esses recebidos pela presidente Dilma Rousseff.
Lula tem passado os dias reunido com assessores em seu instituto, de onde faz telefonemas a governadores e líderes do partido. Do site do jornal O Globo

11 milhões de estrangeiros podem conseguir 'green card' para viver nos EUA...// El País

El Senado de EE UU aprueba legalizar a 11 millones de ‘sin papeles’

La reforma migratoria consigue un histórico respaldo de 68 votos a favor y 32 en contra, y pasa ahora a debate en la Cámara de Representantes. Obama lo califica de "una oportunidad única"

40.000 agentes para evitar la entrada de más indocumentados

CRISTINA F. PEREDA Washington 12
La ley para la reforma migratoria escucha las exigencias de los republicanos y ampliará la vigilancia fronteriza

Reunião deixa Cabral de 'saia justa'....

Jornal do Brasil - Rio - Reunião "mandrake" de Cabral revolta manifestantes que estão no Leblon



Rio

Reunião "mandrake" de Cabral revolta manifestantes que estão no Leblon

Grupo que se reuniu com governador protagonizou papelão nesta quinta-feira

Jornal do BrasilHenrique de Almeida

A reunião de Sérgio Cabral com os manifestantes que "supostamente representavam" os que estão acampados na orla do Leblon, em frente à casa do Governador, na rua Aristides Spínola, se transformou em um verdadeiro papelão nesta quinta-feira(27). Esse grupo, formado no sábado passado, foi desautorizado a falar em nome dos que estão acampados.
Enquanto Cabral se reunia com os supostos representantes dos manifestantes, parte do grupo que realmente está acampado na Avenida Delfim Moreira ficou de fora da reunião e sequer puderam entrar no Palácio Guanabara porque não foram autorizados. Ao final da reunião, o grupo dos "supostos representantes" não informou e nem esclareceu o que foi discutido com o governador. Pediram apenas para que as perguntas fossem encaminhadas a uma rede social que posteriormente seriam respondidas. Não houve, portanto, um diálogo com os reais representantes do movimento.
"Os que vieram aqui até o Palácio Guanabara não nos representam. Eles são infiltrados para diluir o movimento. Esse grupo que veio aqui hoje veio conversar com o governador sem nenhuma autorização dos 35 que estão acampados na Delfim Moreira. Foram dissimulados e querem enganar a todos", disse Vinícius Fragoso, ator e um dos porta-vozes do movimento Ocupa Cabral. "Não ficou nada formalizado, e eles ainda saíram de lá dizendo que aquela luta tinha acabado, que aquela não era uma luta do povo. Que era um movimento de alguns jovens imbecis, e nós não somos nada disso. Essas pessoas oportunistas que vieram falar com o governador hoje não falam pela gente de forma alguma. Foram contraditórios em tudo que o movimento pedia", declarou Fragoso, que deixou claro ainda que o movimento quer se reunir com o governador. "Mas só quando tivermos todas as pautas definidas", finalizou.
O grupo que conversou a portas fechadas com Cabral e secretários nessa quinta tem pelo menos três nomes divulgados: Juliana Medeiros, Sven Waddington e o líder, Eduardo oliveira, que protagonizou um momento inesperado ao dizer aos jornalistas o seguinte texto, praticamente decorada:

Os "supostos representantes" foram desautorizados pelos reais representantes do movimento Oucpa Cabral que estão acampados em frente à casa do governador desde sexta-feira
Os "supostos representantes" foram desautorizados pelos reais representantes do movimento Oucpa Cabral que estão acampados em frente à casa do governador desde sexta-feira
"O nome do nosso grupo é Somos o Brasil. Nós não estamos aqui para divulgar a nossa voz, estamos aqui para fazer uma ponte entre todos que tem algo para falar o governo. Se vocês tem alguma pergunta, que façam ou no Facebook ou no Website. Nesse primeiro momento, só reivindicamos o controle das manifestações e a segurança, pois a maioria das pessoas não está se sentindo segura em se manifestar", disse Eduardo, representante dos "supostos". Ao ser perguntado sobre as pautas que haviam sido encaminhadas ao governador, o cabeça dos "supostos" disse que a pauta ainda seria feita:
"Estamos dividindo em células em todo o estado. A pauta ainda está sendo executada. Nós viemos abrir um canal de comunicação com o governador. Sem mais declarações, obrigado", se despediu Eduardo, para em seguida sair do recinto sob olhares incrédulos.
Manifestantes do lado de fora
Enquanto a reunião "mandrake" acontecia a portas fechadas, os verdadeiros manifestantes que estão nos arredores da casa de Cabral desde sexta-feira criticavam o encontro. Bruno Cintra, uma das porta-vozes do movimento Ocupa Cabral, deixou claro que o grupo não sairá da frente da casa do governador, e disparou contra o grupo dos "supostos representantes" que foi até o Palácio Guanabara.
"Os que vieram hoje aqui estão querendo enganar a imprensa e o governo. Precisamos desfazer essa confusão, e é primordial que o governador receba os manifestantes que estiveram na Rocinha e em outras comunidades carentes. Para que o governador se reúna com a gente, é preciso que ele saiba quem realmente representa o movimento Ocupa Cabral, e não são os que vieram aqui hoje".

Vinícius Fragoso, Jair Seixas e Bruno Cintra(da esquerda para a direita) dispararam contra  o grupo que se reuniu com Cabral: "Não nos representam"
Vinícius Fragoso, Jair Seixas e Bruno Cintra(da esquerda para a direita) dispararam contra  o grupo que se reuniu com Cabral: "Não nos representam"
Bruno, também conhecido como "Ruivo", comentou um pouco sobre a conduta dos que foram se reunir com o governador nesta quinta:
"O Eduardo(cabeça dos "supostos representantes") apareceu no sábado, com uma gangue de vinte motoqueiros, um grupo de extremistas. Um dos amigos dele disse que a "Revolução de 1964" - o golpe militar - havia sido a melhor coisa que aconteceu no Brasil", disse ele. Bruno destacou ainda que vários outros integrantes do grupo dos "supostos representantes" tentam desde sábado passado se aproximar dos verdadeiros manifestantes mas ninguém sabe o verdadeiro objetivo desse grupo.

Tags: cabral, com, grupo, nesta, papelão, protagonizou, que, quinta-feira, reuniu, se

"A Voz do Brasil' não cumpre sua função pública" /// Eugenio Bucci

“A ‘Voz do Brasil’ é um resquício autoritário e não cumpre função de interesse público”

25 de junho de 2013 
Autor: Comunicação Millenium
pequeno normal grande
eugenio-bucci
O Projeto de Lei (PL-595/2003), que flexibiliza a transmissão do programa “A Voz do Brasil”, está pronta para votação no Plenário da Câmara dos Deputados. O PL determina que a transmissão do programa, apesar de continuar obrigatória às rádios, poderá ser realizada entre 19h e 22h pelas emissoras comerciais e comunitárias. A transmissão será mantida às 19h para emissoras educativas.
O texto do projeto define ainda que as rádios que optarem por transmitir o programa em horário diferente das 19h deverão informar esta opção ao ouvinte. Segundo a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), o PL não foi votado nas últimas duas semanas porque a pauta de votações da Câmara esteve trancada por falta de acordo sobre a proposta que destina recursos dos royalties do petróleo para a educação.
Para aprofundar o tema, o Instituto Millenium conversou com o jornalista Eugênio Bucci, que enxerga na obrigatoriedade da transmissão do programa um “resquício autoritário perpetuado na legislação brasileira”. Para o professor de comunicação da USP, “A Voz do Brasil não cumpre nenhuma função de interesse público”.
Instituto Millenium - O Brasil revogou a Lei da Imprensa, que data do período militar, apenas em 2009. Ainda hoje vigoram leis ou determinações oficiais anacrônicas que prejudicam o funcionamento da comunicação no Brasil?
Eugênio Bucci - Alguns vazios que foram abertos precisam de algum nível de regramento, não por dispositivos legais ou marcos regulatórios, mas sim pela autorregulação. Um exemplo disso é o direito de resposta. A velha Lei de Imprensa falava sobre isso, a Constituição trata disso, mas o mecanismo mais eficiente está fora da legislação, deveria ser algo de determinação dos próprios meios de comunicação e das entidades. Acredito que a Associação Nacional de Jornalistas (ANJ) poderia orientar seus integrantes a respeitar esse direito com maior eficácia. A questão do direito de resposta não está neste capitulo de anacronismo, mas é um velho hábito, neste caso arrogante, que bloqueia o debate e deveria ser superado numa sociedade mais moderna.
Do outro lado, um dos mais gritantes casos de resquício autoritário que ainda permanece na legislação é “A Voz do Brasil”, um programa transmitido obrigatoriamente todos os dias pelas emissoras de rádio. O programa não cumpre nenhuma função de interesse público, não atende a nenhum direito dos cidadãos, só se mantém no ar pela resistência de uma mentalidade que se acomodou no dispositivo legal do período autoritário da era Vargas. Acho que “A Voz do Brasil” deveria ser tombada como patrimônio imaterial dos delírios autoritários da história do Brasil.
Acho que ‘A Voz do Brasil’ deveria ser tombada como patrimônio imaterial dos delírios autoritários da história do Brasil
Imil – A flexibilização no horário já é um avanço?
Bucci -
 É melhor do que nada, mas o ideal seria tornar “A Voz do Brasil” um programa cuja retransmissão fosse voluntária. As emissoras devem ter essa liberdade. Essa obrigatoriedade é ruim para o programa e para os poderes da República, que ficam com uma imagem antipática, velha e sem capacidade de comunicação.
Imil – Há políticas prejudiciais à comunicação em pauta ainda hoje?
Bucci -
 Primeiro eu gostaria de falar sobre a figura do Estado anunciante, que prejudica em muito a democracia da comunicação no Brasil. A rubrica de verba pública que mais cresce no nosso país é a compra de espaço comercial em veículos para campanhas publicitárias de governo nos níveis federal, estadual e municipal.  Gasta-se uma fortuna anualmente para pressionar veículos de comunicação. Há uma série de jornais e emissoras médias que muitas vezes são dependentes da verba publica. É uma ferramenta pela qual o poder pode inibir, coibir, intimidar, chantagear, cooptar e direcionar o conteúdo das emissoras e jornais. Deveria haver limite para investimento de dinheiro publico em tetos publicitários.
Outra determinação que prejudica a liberdade de imprensa é a emenda constitucional que restitui a obrigatoriedade do diploma jornalístico para o exercício da profissão. A função de publicar jornais deve estar acessível a todos os cidadãos, sem nenhuma restrição legal. Isso é a livre manifestação do pensamento que figura no artigo 5º e no artigo 220º da Constituição. Se o Estado passa a exigir diploma do editor de qualquer jornal, ele está diferenciando os cidadãos e concedendo privilégios a alguns. Por mais que eu, como professor de jornalismo, ache essencial a boa formação dos profissionais de imprensa,  não consigo aceitar o argumento de que para uma pessoa editar política, esportes ou o tema que for, ela precise ter graduação em jornalismo. Isso cerceia a população de editar as informações. Eu defendo todas as medidas para melhorar o ensino de jornalismo e proteger a liberdade de imprensa, nesse caso, a aprovação do diploma é prejudicial a universalização do acesso a comunicação e aos debates.

Exemplo da cultura política brasileira... blog Ponte Aérea - Xico Vargas

Governo procura hospital que jogou no lixo
31-05-2013
´
É velho como a República, na paisagem brasileira, o hábito de tirar da vista investigações que destampam sorvedouros de dinheiro público. Anos de prática mostraram ser o melhor caminho para apagá-las da lembrança. Na área da Saúde, no Rio, esse mau costume encobre há 10 anos um hospital inteiro. O governo Lula o recebeu pronto para inaugurar, nunca lhe abriu as portas e hoje arrasta um monte de escombros.
Ia se chamar Instituto de Neurociência e custou R$ 10 milhões dos impostos dos trabalhadores. Para botá-lo de pé, compraram o equipamento mais moderno da época. Com ele, rechearam o prédio do antigo Instituto Brasileiro do Café, no bairro da Saúde, ao lado do hospital dos Servidores. Tinha até UTI infantil. O projeto era realizar 120 cirurgias cérebro por mês – quase 1.500 por ano – e acabar com a fila em um ano e meio.
Um mês antes de Lula sentar pela primeira vez na cadeira de presidente, o hospital recebeu fronhas e lençois, cheirando a novos, para os 160 leitos. Quase quatro vezes mais que os 44 do hospital do Cérebro que o governo do estado constrói hoje no antigo prédio do Into, na Lapa. Ali, obras que acumulam atraso de oito meses erguem duas unidades (a outra é o hospital do Olho) por R$ 40 milhões.
As maravilhas da medicina que se prometem, a partir da inauguração do hospital do Cérebro, são as mesmas que o governo federal negou ao carioca há uma década. Quando passou o cadeado na porta do Neurociência, o ministério da Saúde jogou no lixo uma montanha de dinheiro dos brasileiros e cassou de pelo menos 11.500 cariocas e fluminenses o direito ao que, ainda hoje, seria o melhor em neurocirurgia.
Discretamente, como convém aos envolvidos nas grandes patifarias, há pouco mais de três anos um inquérito examina as causas dessa aberração. Em busca da ordem suprema que mandou trancar e deixar apodrecer um hospital pronto para salvar vidas, já foram ouvidos funcionários do Servidores e diretores que por lá passaram na década perdida. Mas o Rio talvez não seja o lugar adequado para procurar. A resposta pode estar em Brasília.

É possível que fique tudo mais claro, quando a origem do hospital for localizada entre papeis assinados por José Serra, que desembarcou da cadeira de ministro da Saúde para disputar a presidência com Lula. O que aconteceu depois teria sido apenas o cumprimento de uma das mais enraizadas tradições da política brasileira que recomenda ao vencedor sepultar a obra do vencido. A população e o dinheiro público são só detalhe.